NALDOVELHO - POESIA


 

Nó cego

 

NALDOVELHO

 

As horas tão lentas, a janela entreaberta,

a porta do quarto, faz tempo, fechada

e em cima da mesa um monte de papeis,

rascunhos de versos, idéias desencontradas,

solidão, nostalgia, insônia e inquietude...

Coisas sem importância!

O cinzeiro lotado, ainda cabe um cigarro,

uma xícara de café, doce e encorpado.

Lá fora é outono, aqui dentro chove...

Não consigo entender, o sol se recusa a nascer!

E o coração aprontando, ao contrário das horas,

num ritmo apressado, agora chove lá fora,

meus olhos já não choram, estiagem de sonhos,

os cortes cicatrizados, nada que eu possa fazer!

Madrugada emperrada e o inverno aprisionado,

e um sol de preguiça esboça um movimento,

calçadas e ruas molhadas, chuva fina de junho

e a vida presa num embrulho, nó cego,

que eu não consigo desfazer!

 



Escrito por NALDOVELHO às 20h08
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Meu perfil
BRASIL, Sudeste, NITEROI, ILHA DA CONCEICAO, Homem, de 56 a 65 anos, Portuguese, Arte e cultura, Música
Histórico
  08/10/2006 a 14/10/2006
  16/07/2006 a 22/07/2006
  09/07/2006 a 15/07/2006
  25/06/2006 a 01/07/2006
  21/05/2006 a 27/05/2006
  26/02/2006 a 04/03/2006
  29/01/2006 a 04/02/2006
  11/12/2005 a 17/12/2005
  13/11/2005 a 19/11/2005
  06/11/2005 a 12/11/2005
  30/10/2005 a 05/11/2005
  23/10/2005 a 29/10/2005
  16/10/2005 a 22/10/2005
  09/10/2005 a 15/10/2005
  02/10/2005 a 08/10/2005
  25/09/2005 a 01/10/2005
  18/09/2005 a 24/09/2005
  11/09/2005 a 17/09/2005
  04/09/2005 a 10/09/2005
  14/08/2005 a 20/08/2005
  07/08/2005 a 13/08/2005


Outros sites
  UOL - O melhor conteúdo
  BOL - E-mail grátis
Votação
  Dê uma nota para meu blog